| Seja bem-vindo! Hoje é
 
 
Acompanhe o santo do dia
Fonte: Católico.org
 
 
 
Home
Pároco
Atendimento na Paróquia
Estudos litúrgicos
Curiosidades
Catedral Sto Antônio
Pastorais
Regiões Pastorais
Padroeiro
Orientações Pastorais
Orações
Estudos e Reflexões
Espaço Litúrgico
Mensagens
Folheto Litúrgico
Contato
 
. : Catedral Santo Antônio :.
Como ler a Bíblia - 8ª parte

O novo saber bíblico que vem sendo construído, especialmente na América Latina, tem como grande contribuição o resgate da Bíblia como memória histórica dos pobres. Isto é, ler a Bíblia a partir do lugar social em que foi vivida e escrita: o lugar dos pobres. A Bíblia é como uma casa importante que acolhe, alimenta e conforta. Mas para entrar nessa casa é necessário ter a chave da porta. Os pobres são a chave. É a chave do sofrimento daqueles que lutam por melhores condições de vida.
            Reparando bem o conjunto da Bíblia, notam-se dois eixos: o Êxodo e o acontecimento da vida-morte-ressurreição de Jesus Cristo. Eles nos mostram a verdadeira face do Deus bíblico, o Deus da Vida.
            Normalmente as literaturas são escritas a partir dos donos do poder. Por exemplo, a história do Brasil colônia que aprendemos nas escolas. Com a Bíblia ocorreu uma exceção. Os pobres são os atores principais dela. Quando não escreveram os textos bíblicos, foram seus inspiradores. Foi no duro chão da vida dos pobres da terra que nasceu a Bíblia.
            A Bíblia como memória histórica dos pobres, em vários momentos ao longo da história, sofreu a tentativa de usurpação por parte do poder dominante. Este, quando não consegue apagar a memória dos pobres, faz de tudo para apropriar-se dessa memória a fim de esvaziá-la. Isso aconteceu também com a Bíblia. A partir do rei Salomão, os reis em sua maioria, reduziram Javé a um deus qualquer. Os sacerdotes do templo e mais tarde os doutores da Lei reduziram-no a um deus fiscal, distante do clamor dos pobres e marginalizados.
            Por isso, é importante o trabalho de fazer com que o povo tenha consciência de sua própria história e cultive uma espiritualidade bíblica que ajude a manter viva em sua memória a opção de Deus pelos pequenos. Nesse sentido, precisamos, além de outras coisas, um método que de fato nos ajude a fazer esse caminho. Já vimos nas edições passadas que não podemos ler a Bíblia de qualquer jeito. Poderemos cair no fundamentalismo e o estrago ser ainda maior.
            Por isso temos necessidade de um MÉTODO. Método é uma palavra de origem grega que significa caminho. O método que estamos propondo e que vem sendo trabalhado neste ano, pode ser sintetizado em três momentos: Eisegese, exegese e hermenêutica. Através desse passos, que abordaremos, tentaremos esclarecer três desafios, quais sejam: Como entrar no texto bíblico? Como permanecer nele? Como sair do texto? A leitura fiel passa por esses três passos, formando um único processo. Na falta de um deles, os outros ficam prejudicados.
 
EISEGESE
      É uma palavra de origem grega e significa, entrar, conduzir para dentro. É o processo de entrada, a ida ao texto bíblico. Para isso, precisamos de algumas atitudes básicas:
-          Ir ao texto carregando nossa vida: perguntas, anseios, sonhos, lutas, desejos, fragilidades, ambigüidades.
-          Ir ao texto carregando a vida dos outros: Não basta pensar em si. É preciso olhar mais longe, percebendo as necessidades da comunidade e da sociedade como um todo.
-          Ir ao texto buscando luzes: precisamos de motivações profundas, capazes de dar razão à nossa esperança (1Pd 3,15). Somos limitados e sozinhos não conseguimos ver claramente nossa caminhada, especialmente nas encruzilhadas, nos conflitos...
-          Ir ao texto sabendo escutar: para não forçar a Bíblia a dizer o que está em nossas cabeças. Daí a importância da atitude do silêncio.
-          Ir ao texto abertos à conversão: Podemos ir à Bíblia só para buscar justificativas às nossas opções já tomadas.
-          Ir ao texto em companhia de alguém: A diferença enriquece. Quando possível, estudar e rezar a Bíblia em grupo, de preferência não muito grande, para permitir a participação e o envolvimento de todos.
-          Ir ao texto com profunda atitude de fé: não é um livro qualquer. Daí a importância do clima de oração, invocando a presença do Espírito Santo.
 
Na próxima edição trabalharemos os outros dois momentos, para termos o todo do método.
 
Para refletir:
  1. Que sinais temos hoje de que o Projeto de Deus que está na Bíblia está na consciência do pobres?
  2. Qual a importância da eisegese ao ler a Bíblia?

 

Pe. Ademir Rubini



© 2007/2008 Catedral Santo Antônio Chapecó.  Todos os direitos reservados. | créditos |