| Seja bem-vindo! Hoje é
 
 
Acompanhe o santo do dia
Fonte: Católico.org
 
 
 
Home
Pároco
Atendimento na Paróquia
Estudos litúrgicos
Curiosidades
Catedral Sto Antônio
Pastorais
Regiões Pastorais
Padroeiro
Orientações Pastorais
Orações
Estudos e Reflexões
Espaço Litúrgico
Mensagens
Folheto Litúrgico
Contato
 
. : Catedral Santo Antônio :.
Como ler a Bíblia - 9ª parte

Na edição passada trabalhamos o primeiro momento do método de leitura popular da Bíblia. Vimos que a eisegese é o processe de entrada no texto, levando nossa vida, a vida da comunidade, numa atitude de escuta, de abertura para a conversão, numa atitude de fé. A seguir, veremos os outros dois momentos.
 
EXEGESE
Significa conduzir fora, puxar de dentro para fora. É o processo de conduzir para fora a mensagem do texto. É deixar o texto falar por si e buscar aquilo que ele quer dizer. É a busca do sentido do texto-em-si. Para isso, precisamos de algumas atitudes:
 
A) Familiarizar-se com o texto:
-          Ler o texto escolhido, devagar, reparando nos detalhes e no conjunto.
-          Saborear as imagens, as comparações.
-          Notar as frases, palavras, verbos, pessoas que surgem, o assunto em questão. É bom fazer primeiro uma leitura continuada, reparando o conjunto do texto e depois verificar os detalhes. Se possível ler traduções diferentes, comparando o sentido das palavras, para perceber qual o sentido que o autor quis transmitir. Por exemplo, o sentido da palavra amor em 1Cor 13,1-13.
B) Diálogo afetivo com o texto:
-          O que mais me tocou? Que reações me estão provocando? Que sentimentos...?
Obs: Essas primeiras reações são importantes. São reações afetivas, que falam ao coração. A essência da vida humana está no afetivo e não no racional. O racional deve colocar-se a serviço do afetivo. Por exemplo Mc 3,1-6.
C) Diálogo aprofundado com o texto:
1.      Fazendo uma análise literária do texto: Onde começa e onde termina o texto? Em qual livro está situado?Quais as palavras e figuras chaves que o dinamizam?... Qual o gênero literário que é usado para escrever o texto: poesia, conto, apocatíptico (linguagem clandestina, típica em tempos de repressão, de ditadura), litúrgico, carta, parábola...
 
2.      Fazendo uma análise sócio-histórica: situar o texto no contexto sócio-histórico. Quais pessoas aparecem no texto? Quem são ou quem representam? Qual o problema ou o conflito que o texto trata? Que realidade sócio-econômico-política-religiosa aparece (os 4 lados)?...Nenhum texto cai do céu, é neutro ou indiferente diante de determinada situação. O contexto está presente nas linhas e entrelinhas do texto.
 
3.      Fazendo uma análise teológica: É o ponto de chegada de todo trabalho exegético. Qual o rosto de Deus o texto revela? Quais as posturas de Deus? Ao lado de quem ou de quê ele está? Qual a vontade de Deus ali presente? Qual a Palavra que as palavras do texto revelaram na época? Uma coisa é certa: a Bíblia, de ponta a ponta, revela a vontade de Deus, que é um projeto de vida e liberdade para todos, a partir do lugar social dos pobres e marginalizados. Toda exegese, portanto, para ser realmente fiel, deve inspirar-se nesse projeto de Deus. Esse projeto tem dois eixos: o Êxodo e a vida-morte-ressurreição de Jesus.
 
HERMENÊUTICA
É o ato de interpretar, de traduzir, de atualizar a mensagem de um texto. É tirar a mensagem do passado e colocá-la em nossa vida. Passamos do texto-em-si ao texto-para-nós.
         Lembrar que a Palavra de Deus deve nos colocar a todos num processo de conversão. E não apenas meu vizinho. A conversão é uma mudança de atitudes, de mentalidade, de visão das coisas e da história, enxergando-as com novos olhos. Entrar em comunhão com a Palavra de Deus exige: contemplação, acolhida, tempo, gratuidade, humildade, amor profundo e busca do sentido verdadeiro da vida.
-          Que luzes a Palavra de Deus oferece dentro do aspecto da vida que sinto mais necessidade iluminar: pessoal, familiar, social, pastoral...
-          Que apelos e chamados estou sentindo para vivenciar a Palavra de Deus?
-          Que fazer então concretamente?
 
Para refletir:
  1. Que espaços temos em nossa paróquia ou comunidade de aprofundamento da Bíblia?
  2. Que outros espaços podemos organizar?
  3. Como este método de leitura popular da Bíblia pode ser concretizado?


© 2007/2008 Catedral Santo Antônio Chapecó.  Todos os direitos reservados. | créditos |