| Seja bem-vindo! Hoje é
 
 
Acompanhe o santo do dia
Fonte: Católico.org
 
 
 
Home
Pároco
Atendimento na Paróquia
Estudos litúrgicos
Curiosidades
Catedral Sto Antônio
Pastorais
Regiões Pastorais
Padroeiro
Orientações Pastorais
Orações
Estudos e Reflexões
Espaço Litúrgico
Mensagens
Folheto Litúrgico
Contato
 
. : Catedral Santo Antônio :.
MÚSICA LITÚRGICA (III) Mística e atualidade - Reginaldo Veloso

E o que dizer sobre a atualidade do canto litúrgico?... Um antigo axioma dizia: Lex orandi, Lex credendi, ou seja, a oração é a norma da fé. Do jeito que a gente ora, a gente crê e vice-versa, mas não se pode negar que a força motivadora, a mística da oração tem uma importância fundamental no processo existencial da fé. Já vimos que, nos momentos de celebração, a oração é mais canto que outra coisa. Por aí, já dá para se perceber a importância sempre atual do canto litúrgico.

Se o texto, a letra, como costumamos dizer, que é a substância mesma do canto, carrega consigo toda a riqueza de uma tradição de fé de uma gente que vem de longa caminhada, desde Abraão, o Pai de todos os crentes, avançando por Moisés e por todos os Profetas, culminando em Jesus, sua Mãe, seus Apóstolos, envolvendo um sem número de santos e santas testemunhas... Se esse texto, essa letra, por suas expressões, imagens e dizeres, pela visão de Deus que projeta, pela experiência humano-judaico-cristã que celebra, reflete a identidade bíblico-histórica da multissecular experiência cristã, esse texto tem, com certeza, a força de nos alimentar, hoje, com a seiva que vem das raízes, com as riquezas que vêm das origens... esse texto nos faz herdeiros e parceiros de todos quantos nos procederam e continuadores, aqui e agora, dessa caminhada para a Terra Prometida...

Daí a importância fundamental dos Salmos, que têm sido a base do canto litúrgico cristão, desde as comunidades cristãs primitivas até nossos dias. Os salmos, juntamente com os cânticos do Antigo e do Novo Testamento, especialmente os três cânticos evangélicos de Maria, de Zacarias e de Simeão, consignados por Lucas nos dois primeiros capítulos de seu Evangelho, são a referência número um do compositor litúrgico cristão. Desconhecê-los é cortar-se da trama da história da fé.

Se o texto, a melodia, o ritmo, as harmonias, os arranjos se enraízam no contexto cultural de cada povo, região ou nação, assumem suas características poéticas e musicais, tanto da etno-música, da música de raiz, quanto das novas manifestações da música popular, o canto litúrgico terá importância de máxima atualidade, qual seja, a de fazer do momento celebrativo uma contribuição para o fortalecimento da identidade cultural da comunidade, da sua encarnação na vida do povo, da sua comunhão profunda com a vida, a história, a cultura do povo, no meio do qual a comunidade atua qual fermento na massa.

A mística e a atualidade da música litúrgica, então e enfim, nos remetem a essas exigências básicas, inarredáveis, indispensáveis:

¾    Um povo que permanentemente se evangeliza e entende que é sua vida mesma, sua própria existência que deve ser o louvor essencial, existencial;

¾    Compositores que sintonizam profundamente com a tradição de fé e celebração da Igreja Cristã, que tem como paradigma os Salmos e demais cânticos bíblicos do Antigo e do Novo Testamento;

¾    Compositores sintonizados profundamente com a cultura de sua região, do seu povo, da sua nação, em fidelidade Àquele que se fez carne e levantou seu barraco no meio de nós (cf. Jo 1, 14).

Perguntas para reflexão pessoal e em grupos:

1. Se a gente crê do jeito que a gente ora... se a gente ora do jeito que a gente crê... se o canto é parte tão importante da nossa oração, como encarar a responsabilidade de escolher os cantos de uma celebração?...

2. Os Salmos  e Cânticos bíblicos têm sido as referências mais fortes e essenciais  do repertório que costumamos utilizar nas celebrações litúrgicas e outros momentos de oração de nossa comunidade?...

3. Os cantos que costumam ser cantados nas celebrações de sua comunidade, letra e música, refletem a identidade cultural do povo e da música de sua região, do seu país?...

4. Que conclusões você tira, a partir desta reflexão?(comentar as fichas 63, 64 e 65)?

5. Se a gente crê do jeito que a gente ora... se a gente ora do jeito que a gente crê... se o canto é parte tão importante da nossa oração, como encarar a responsabilidade de escolher os cantos de uma celebração?...

6. Os Salmos  e Cânticos bíblicos têm sido as referências mais fortes e essenciais  do repertório que costumamos utilizar nas celebrações litúrgicas e outros momentos de oração de nossa comunidade?...

7. Os cantos que costumam ser cantados nas celebrações de sua comunidade, letra e música, refletem a identidade cultural do povo e da música de sua região, do seu país?...

8.      Que conclusões você tira, a partir desta reflexão?(comentar as fichas 63, 64 e 65)?



© 2007/2008 Catedral Santo Antônio Chapecó.  Todos os direitos reservados. | créditos |